CONCLUSÕES DO XXVI CONGRESSO UEP

 

UNIÃO EUROPEIA DE PARAQUEDISTAS

RESULTADO DO 26º CONGRESSO

O Congresso da UEP realizou-se em Tomar e Tancos, Portugal, de 05 a 09 de Outubro de 2016, contando com a presença de delegações de dez Estados Membros da União Europeia.

O tema em debate versou sobre: ​​"A alteração dos pressupostos de defesa no ambiente estratégico global do século XXI: Os desafios enfrentados pelas nações e o caminho a seguir para garantirem os seus interesses de segurança nacional- O chamamento aos Pára-quedistas”

As intervenções das delegações permitiram chegar às seguintes conclusões

Conclusões do tema para o XXVI Congresso da UEP

1.     As Tropas Pára-quedistas e as Forças de Operações Especiais, estão mais bem equipadas e treinadas para analisar e agir perante situações complexas que caracterizam o atual ambiente operacional. O seu efeito multiplicador, e o seu custo/eficácia, colocou-os no centro das atenções tanto da elite política como da população em geral,sendo que a tendência atual na Europa, é investir cada vez mais em forças desta natureza.

2.     Dentro do atual ambiente operacional, os cenários de intervenção das forças militares, deixaram de ser exclusivamente no âmbito da Defesa Nacional, e passar para fora das fronteiras para combater as ameaças tanto na pátria como no exterior. Para enfrentar este novo paradigma, o quadro jurídico e a mentalidade atual precisam de ser reformulados para permitir:

a. Uma Cadeia de comando global e integrada;

b. Missões e tarefas das forças militares num cenário doméstico;

c. Relacionamento com outras Forças de Segurança Nacional (Polícia, GNR, etc),

d. Fusão e controle de dados de informação nacionais, bem como a partilha de informações com países amigos;

e. Treino específico para forças militares para atuar na segurança interna do país

3. A maior parte dos interesses de segurança das nações europeias estão interligadas e necessitam de uma abordagem abrangente, tais como:

a. Proteger a integridade territorial, a soberania e os cidadãos dos nossos aliados;

b. Manter a ordem internacional baseada no Direito Internacional;

c. Assegurar um comércio mundial livre e sem obstáculos;

d. Promover a utilização responsável de recursos limitados a nível mundial;

e. Aprofundar a integração europeia;

4. Problemas como terrorismo transnacional e ameaças no domínio da informação, e da cibernética, conflitos interestaduais, estados frágeis e má governação e migração irregular, para citar apenas alguns, só podem ser resolvidos através da cooperação internacional.

5. A condição básica para a cooperação internacional, assenta na eficiente e suficientes capacidades das Forças Armadas dos Estados-Membros.

6. A evolução dinâmica dos paraquedas e outros meios para lançar Operações Aerotransportadas aumentarão, significativamente, a capacidade e o poder de combate das unidades para-quedistas, traduzindo-se no aumento da capacidade de cumprir missões em ambientes complexos.

7. O ambiente operacional atual exige um soldado que não seja apenas operador de armas, mas também um ser inteligente e racional capaz de analisar uma situação nova e complexa e de fornecer uma solução adequada, ou seja, capaz de desempenhar seu papel na realização da Intenção do comandante, sem supervisão permanente, orientação ou direção.

8. As unidades de baixo escalão, como equipes ou seções, devem ser capazes de operar por períodos consideráveis ​​de tempo fora do raio de sustentação da unidade mãe. Eles devem ter uma autonomia de decisão e sobrevivência que vai muito além da doutrina convencional.

9. As Linhas Operacionais de Esforço/Operações são estabelecidas ao nível apropriado, mas todos os níveis desempenham um papel igualmente importante na sua realização. Os soldados e as unidades devem ser treinados e conscientes disto e devem aceitar e praticar esta autoridade sabiamente e responsavelmente sabendo que o papel que desempenham excede em muito a sua importância dentro do "Grande Jogo".

10. O foco dessas forças é de natureza expedicionária, tendo em mente que o seu cenário de atuação se localiza na raiz do problema, provavelmente a milhares de quilômetros de casa, e não defender as fronteiras nacionais seguindo o princípio: "Eliminar a doença na sua fonte, não combater os sintomas."

11. Para isso, é necessário um soldado com uma formação superior. Uma pessoa que é treinada em combate intensivo, plenamente consciente de questões estratégicas e operacionais e capaz de se envolver com a população e conquistar os seus corações e mentes, contribuindo assim para a Intenção do Comandante e atingir o estado final geral estratégico. O soldado capaz de cumprir esses requisitos é o PÁRA-QUEDISTA.

 

No final do Congresso, os Objetivos da UEP para 2016-2020 foram discutidos e aprovados da seguinte forma:

                                  OBJETIVOS DA UEP PARA 2016/2020

(1) Disseminar informações aos membros sobre operações recentes ou em curso dentro do razoável e sujeitas a classificação de segurança.

(2) Apelar aos líderes o apoio aos ideais da UEP.

(3) Promover e manter as homenagens aos Paraquedistas falecidos.

(4) Interagir e cativar, e cativar a população.

(5) O Congresso da UEP deverá ser dividido em duas partes:

(a) Apresentação de um tema principal, ligado a questões das Tropas Pára-quedistas, apresentado por uma nação (preferencialmente país anfitrião);

(b) Os debates centrados nas questões internas da UEP de interesse comum.

(6) Aumentar a visibilidade da UEP, implementando e mantendo atualizado um site da UEP e uma página do Facebook. O coordenador deve ser o Secretário-Geral (os fundos obtidos das associações nacionais devem ser provisionados para este fim).

(7) Alargamento da UEP com a admissão de novas associações-membros (pertencentes apenas à UE).

(8) Implementar o "Troféu da UEP", organizando uma Competição de Paraquedismo, ou algum outro evento desportivo no país que detém a presidência da UEP

 

Em 2017, a Itália será o país organizador num local e data ainda por definir. O Delegado da Itália apresentou o seguinte tema para o próximo congresso:

Tema do 27º Congresso da UEP

“ As tarefas das Associações de Páraquedistas no apoio às Tropas Pára-quedistas nacionais na interligação com a sociedade civil".

 

Tomar, 8 de Outubro de 2016